5dez 2020
00:00 UTC
#linguistweets
#abralin

Programa

5Dez 2020 15:00 UTC
5Dez 2020 12:00 Horário Local *

Gricean Secrets

Anthony Nguyen (University of Southern California - USA)

Fox (2014) argues that Griceans cannot generate scalar implicatures observed in some adversarial contexts. I reply by showing that, contra Fox, Griceans can derive these implicatures. Therefore, Fox’s argument fails to undermine the Gricean approach to scalar implicatures.
Fox’s (2014) argues—via a thought experiment—that an opinionated but uncooperative speaker’s utterance of a disjunction can generate an exhaustification implicature even if the Maxim of Quantity is deactivated. Fox concludes that we should reject the Gricean, pragmatic approach to scalar implicatures. Consider Fox’s thought experiment, GAME SHOW (2014, 6):


GAME SHOW: There are 100 boxes and five of them contain money. The rest are empty. The show’s host knows which boxes contain money. Contestants are given one chance to choose a box. If a contestant chooses a box with money, they win the money. The host provides hints with the common understanding that she will not reveal all the information she has.


Since the host is not expected to share all relevant information, the Maxim of Quantity is deactivated. But, if the host utters (1), there is an exhaustification implicature that there is not money in both boxes:


(1) There is money in box 20 or box 25.


I will reply to Fox (2014). Contra Fox, I deny that the pragmatic approach must always appeal to the Maxim of Quantity in order to generate scalar implicatures. First, I will show that Grice’s Cooperative Principle is active in GAME SHOW.
The Cooperative Principle demands that you “[m]ake your conversational contribution such as is required…by the accepted purpose or direction of the talk exchange in which you are engaged” (Grice, 1989, p.26, my emphasis). In GAME SHOW, the accepted purpose of the conversation is to advance the game show fairly. But then the deactivation of the Maxim of Quantity does not entail the deactivation of the Cooperative Principle. Sometimes, sharing all relevant information would undermine the accepted purpose of a conversation!
Griceans can explain why (1) has an exhaustification implicature. They need only accept the Maxim of Secrecy:


Maxim of Secrecy: Do not reveal information such that were you to share it, the goal of the conversation would be undermined.


Since the host should not reveal information that would indicate a winning strategy, the Maxim of Secrecy is active in GAME SHOW. If both box 20 and box 25 have money in them, then a winning strategy for the contestants would be to choose box 20 or box 25. One way to indicate this winning strategy (i.e. make it salient) is for the host to utter (1). For by uttering p ∨ q, one makes both p and q salient. By uttering (1), the host would cause the contestants to think that they should choose either box 20 or 25. But making a winning strategy salient to contestants would undermine the goal of the conversation. This is evidenced by the infelicitousness of (2) when uttered by the host:


(2)#There is money in box 20.


So, if there is money in both box 20 and box 25, the host should not utter (1). Therefore, Griceans can explain why (1) has an exhaustification implicature.
To further defend the pragmatic approach, I will derive the “possibility” implicatures associated with (1):

(3) There might be money in box 20.
(4) There might be money in box 25.


Let □ regiment ‘In all worlds in which all beliefs are true’ and ■ regiment ‘In all worlds in which all commitments are true’. If the host utters (1), we can derive the implicatures (3) and (4):


1. ■(p ∨ q) Host’s utterance, Maxim of Quality Goal: ■◊p∧■◊q
2. ¬■p 1, Maxim of Secrecy Axiom 5*: ♦φ→■◊φ
3. ¬■q 1, Maxim of Secrecy Assumption: All instances of
4. ♦¬p 2, Modal Logic Axiom 5* are true.
5. ♦¬q 3, Modal Logic
6. ♦p 1, 5, Modal Logic
7. ♦q 1, 4, Modal Logic
8. ■◊p 6, Axiom 5*, Propositional Logic
9. ■◊q 7, Axiom 5*, Propositional Logic
10. ■◊p∧■◊q 8, 9, Propositional Logic
5Dez 2020 15:15 UTC
5Dez 2020 12:15 Horário Local *

Cats of Twitter

Naomi Truan (Universität Leipzig - Germany)

Cats of Twitter (aka people behind the screens talking as a cat, as if they were a cat) as a community of practice? YES! As they impersonate cats as ambivalent animals, Twitter users gather around a style + lead sociolinguistic change & the dissemination of norms of use.
“Mon humaine” (“my human being”), “cher collègue Gradu” (“dear colleague Gradu”) or “horresco referens chien” (“dog horresco referens”): this is how cats speak about their owners or address other pets. While owners and dogs are put at a distance, fellow companions are conceptualized as colleagues (or sometimes even friends), thus giving us insights on how people imagine how their cat perceives them and their surroundings—and how they verbally render their cat’s behaviors.

This paper approaches the question of facework, relationships, and imagined audiences from an underinvestigated, yet highly promising perspective: through Twitter accounts of cats. A new phenomenon has emerged in the French Twittersphere, which consists in displaying a view from within by projecting how cats would digitally interact with others on the microblogging platform. One of the earliest and most prominent and influential accounts, Sütterlin Scat Katz (@SuetterlinKatz), gathers 7,485 followers (on 15 October 2020), thus showing that we are talking about a widespread practice. These Twitter accounts display, through verbal and multimodal means (mostly pictures), how cats talk about and to others. In doing so, the people behind the screens perform an act of ventriloquizing, which consists in talking as a cat, as if they were a cat.

In what has now established itself as a community of practice characterized by a shared repertoire of lexical, syntactic, and orthographic-prosodic features, cats present themselves as arrogant yet needy pets. The cats’ online persona is reinforced by the use of diverging person-referring expressions to communicate with humans, cats, or dogs. The qualitative, corpus-based analysis of francophone Twitter accounts shows how the humans behind the accounts picture their imagined audiences (i.e. people with or without cats, loving cats or not, etc.) and divide the world into two main categories: cat people vs. dog people.

Through these online practice seemingly on the margins, and by having a closer look on what accounts evolve on the periphery or at the core of the ‘Twittercatsphere’, we thus gain valuable insights not only on interactions between humans and non-humans, but also on how pragmatic and sociolinguistic norms are produced and reproduced in a digital world.
5Dez 2020 15:30 UTC
5Dez 2020 12:30 Horário Local *

National language literacy lessons in The Gambia

Clyde Ancarno (King's College London - UK)

The Gambia’s 2015 biliteracy programme prescribes that from grade 1 to 3 primary school children should receive an equal number of literacy lessons in one of The Gambia’s seven national languages and English. Find out what 12 Gambian educators had to say about it in interviews.
Multilingual Education in The Gambia focusses on the integration of the languages of The Gambia in its monolingual (English only) education system. Its overarching research question is as follows: What role do Gambian languages play in education in The Gambia? Multilingual Education in The Gambia therefore aims to enhance understanding of the ways in which English and the languages of The Gambia can best be used to support Gambian children’s learning.
In multilingual countries such as The Gambia where English has an official status, the teaching of English and other languages as foreign/additional languages and/or the decision to use English or these other languages as languages of instruction are important decisions. In these contexts, English, the teaching of English as a foreign language (ELT) and English language education raise a range of important questions. English is also often perceived as better suited for education than other more widely spoken and/or indigenous languages in such multilingual countries. Language-in-education policy decisions are therefore critical and can significantly help enhance education provision.
My presentation will focus on work conducted during the first phase of Multilingual Education in The Gambia (ongoing) which focusses on a recent attempt of the Ministry of Basic and Secondary Education to allow the Gambian languages primary school children speak at home to feature in primary school education (see Hsieh and Jeng 2016). The ministry introduced an early parallel biliteracy programme which prescribes that from grade 1 to 3 public primary school children receive an equal number of literacy lessons in one of The Gambia’s seven national languages (either Fula, Jola, Mandinka, Manjaku, Serahule, Serer or Wolof) and English. The premise of this initial phase of the project is that the apparently straightforward proposition according to which a child learns best when taught in a language they understand and speak very well simultaneously raises a range of complex issues which deserve careful consideration in a multilingual education context such as The Gambia. The presentation will focus on some of the challenges facing the introduction of literacy lessons in the national languages, e.g. language ideological beliefs.
The data used consists of a series of 12 interviews with professionals in The Gambia whose jobs are relevant to the introduction of these literacy lessons. Drawing on the tools of discourse analysis, these interviews were thematically coded. The findings are therefore relevant to studies in the area of early indigenous language literacy initiatives in sub-Saharan Africa and the scarce literature concerning language-in-education in The Gambia.
References
Hsieh, P.-T.J., and M. Jeng. 2016. Learning By-Doing: The Early Literacy in National Language Programme in The Gambia. In Understanding What Works in Oral Reading Assessment. UNESCO.
5Dez 2020 15:45 UTC
5Dez 2020 12:45 Horário Local *

Ideologies in a university linguistic landscape

Rui Zhao (University College Dublin - Ireland)

This linguistic landscape study examines the language on signs in University College Dublin, Ireland in relation to university policies and value statements. The results show that multilingualism on campus signage does not support the overt global orientation of the institution
Linguistic landscapes as a recent field of inquiry into multilingualism shed light on the material representation of language ideologies. Focusing on the visibility of linguistic resources on the university campus, this study contributes to an understanding of the linguistic landscape as an ideologically constructed and contested space of the university community. The data consist of signs collected from campus roads, buildings, notice boards, billboards, and web pages of University College Dublin, Ireland. Based on the language choice, authorships, and functions of communication, this study summarises the language strategies used by the campus signage and interprets them in the light of regulations and explicit value statements of the university. The findings reveal that there exists a disparity between de jure and de facto language practices and that top-down signs visibly dominate the local linguistic landscape. Although the stated ideology of the higher education institution is multi-layered in the local-global nexus, the study shows that multilingualism on the campus is at best marginal and does not support the overt international orientation of the university.
5Dez 2020 16:00 UTC
5Dez 2020 13:00 Horário Local *

Gramaticalização da construção conectora porque de

Descrição sincrônica da construção conectora porque de em Valença-BA. Pelo viés teórico da Gramaticalização e metodologia qualiquantitativa, concluiu-se que, por analogia, um novo uso emerge do conector porque com a preposição de, com função de sintagma preposicionado causal.
Este trabalho apresenta os resultados da pesquisa em nível de Mestrado que teve por objetivo descrever, sincrônica e sociofuncionalmente, o conector intraoracional porque de, considerando-o como uma construção – constituída pelas dimensões semântico-pragmática e sintática – que, ao emergir por gramaticalização, mobiliza uma junção causal entre sintagmas das sentenças. Apesar do uso da locução porque de parecer espraiado, havia uma completa ausência de estudos sobre esse conector, o que conduziu à hipótese de que se trata de uma construção bastante inovadora, resultante de um processo recente de gramaticalização. O quadro teórico que norteou a pesquisa é pautado pela Linguística Centrada no Uso (BYBEE, 2016), pelo Sociofuncionalismo (TAVARES; GÖRSKI, 2015) e pela Sociolinguística (LABOV, 2008 [1972]). No paradigma funcional dos processos de Gramaticalização, os estudos de Hopper (1991), Traugott e Hopper (1993), entre outros, embasaram teoricamente a descrição do uso da construção em estudo. A metodologia utilizada foi a da pesquisa qualitativa e quantitativa. Assim, procedeu-se à abordagem qualitativa, em que se descreveu a funcionalidade dos empregos da locução porque de bem como os fatores linguísticos e sociais que a favorecem ou a inibem. Foi também utilizada a abordagem quantitativa, nos moldes de Labov (2008 [1972]), com tratamento estatístico dos dados de uma amostra de fala do vernáculo valenciano coletada pelo pesquisador. Os dados foram codificados e rodados no programa computacional GoldVarb X. A partir da análise qualitativa, e considerando os pressupostos e os mecanismos responsáveis por acionar a gramaticalização, constatou-se que, por analogia à locução prototípica por causa de e seus correlatos também prototípicos (por conta de, por motivo de, por razão de etc.), os falantes de Valença-BA parecem estar atribuindo um novo uso, também gramatical, para o conector porque, que, ao se integrar à preposição de, passa a compor um sintagma preposicionado causal com base em um padrão construcional type para conector com valor de causalidade. Verificou-se também, com base nos princípios de gramaticalização formulados por Hopper (1991), mais adequados a estudos sincrônicos e a estágios de gramaticalização ainda incipientes, que se trata de um recente caso de gramaticalização. Originado do padrão construcional POR+SN+DE+X, o type porque de inova não só no inventário dos conectores causais mas também pela primeira vez admite uma conjunção nos dois primeiros slots do padrão construcional da qual ele provém.
5Dez 2020 16:15 UTC
5Dez 2020 13:15 Horário Local *

Interculturalidade, gênero e ensino de Inglês

Márcio Carvalho Alonso (UFBA - Brasil)

A pesquisa “Interculturalidade, Gênero e ensino de Inglês”, investiga o impacto de atividades elaboradas para discutir gênero nos discursos dos estudantes e em suas relações interessoais. Os dados revelam uma ressignificação dos discursos e posturas de abertura às diferenças e de resistência às opressões de gênero.
O objetivo desta apresentação é compartilhar parte dos resultados da minha pesquisa de doutorado em fase de finalização, intitulada “Educação Intercultural para as relações de gênero nas aulas de leitura em Língua Inglesa de um colégio da rede pública de Salvador”. Apesar das salas de aula de Língua Inglesa serem ambiente legítimo para a discussão de temas relevantes para a formação integral das estudantes e dos estudantes, como as relações de gênero, por exemplo, na prática isso pouco acontece, por conta de vários fatores, a saber: alguns professores não se sentem capacitados para falar sobre o tema, outros simplesmente não querem falar sobre ele, ou acreditam que a responsabilidade de abordá-lo compete a professores de outras disciplinas. Lançando um olhar para pesquisas na área de Linguística Aplicada que entrelacem Interculturalidade, Gênero e ensino de Língua Inglesa, existe uma lacuna em termos de investigações que tenham como objetivo a elaboração e aplicação de atividades em escolas públicas. Diante disso, empreendi esta pesquisa, fundamentada na Interculturalidade (MENDES, 2004; WALSH, 2009; CANDAU, 2012), na Pedagogia Crítica (FREIRE, 1970; 1987) e nos Estudos de Gênero em perspectiva feminista (BEAUVOIR, 1970, SCOTT, 1995; HOOKS, 2000; RIBEIRO, 2018) na qual busquei analisar a experimentação de um conjunto de atividades para desenvolvimento da competência leitora que versavam sobre temas concernentes às discussões feministas, como relações patriarcais, violência com base em gênero, interseccionalidade, entre outros, que foram aplicadas nas aulas de Língua Inglesa de duas turmas de Ensino Médio em um colégio da rede pública estadual, localizado na periferia de Salvador. Nesta pesquisa qualitativa de cunho etnográfico empreendida durante o ano letivo de 2018, com aplicação de questionários, gravação e transcrição das interações em sala de aula, considerei que tipo de materiais e recursos podiam ser elaborados para a problematização das relações de gênero nas aulas de Língua Inglesa, qual impacto as atividades aplicadas e as discussões realizadas a partir delas exerceram nos discursos sobre gênero produzidos pelos estudantes e de que forma esses materiais e recursos contribuíram para a construção de diálogos interculturais e propostas de ação contra as opressões de gênero. Nesta fase final de análise, os dados gerados a partir da pesquisa de campo apontam para uma ressignificação das percepções sobre masculinidades e feminilidades, e, por conseguinte, dos discursos sobre elas, os quais se apresentam majoritariamente livres de estereótipos, os dados apontam, ainda, para a construção de uma postura de abertura às diferenças e de resistência às opressões de gênero.
5Dez 2020 16:30 UTC
5Dez 2020 13:30 Horário Local *

The Decline of V2 in the History of English

Sophie Whittle (University of Sheffield - UK)

The decline of English verb-second has been documented throughout previous literature but there has been no consensus as to why the change occurred. How can we combine factors such as dialect contact and information structure to provide a more holistic view of language change?
The Decline of V2 in the History of English
5Dez 2020 16:45 UTC
5Dez 2020 13:45 Horário Local *

Meu experimento psicolinguístico bem deu certo

Brendha Portela (UFRJ - Brasil)

Defende-se que Construção de Contraexpectativa com Bem (exemplificada por frases como “Eu bem vi seu ex ontem”) atua como um marcador de contraexpectativa. Nesse sentido, este trabalho testa empiricamente essa hipótese a partir da realização de um experimento psicolinguístico.
A Construção de Contraexpectativa com Bem (CCB), utilizada em frases como (1) Meu nariz bem sangrou hoje, (2) Minha mãe bem tem ciúme dela e (3) O João bem tirou 10 em matemática, pode ser entendida como um marcador de contraexpectativa, tendo em vista a semântica de quebra de expectativa que ela evoca. Desse modo, sob a ótica da Gramática de Construções Baseada no Uso (GCBU), postula-se que seu uso marca a ciência do falante de que seu interlocutor não tinha a expectativa de que o enunciado produzido pelo falante seria proferido. O objetivo deste trabalho é, então, testar empiricamente a hipótese elaborada acerca de um dentre os três possíveis usos da construção: aqueles em que há quebra de expectativa em relação ao conteúdo proposicional, ou seja, em que a pressuposição evocada e a asserção veiculada pela sentença são exatamente contrárias uma a outra. A fim de verificar experimentalmente essa hipótese, 30 sujeitos, de 19 a 64 anos, participaram do experimento off-line de paradigma de escolha forçada. Os participantes tinham a tarefa de julgar se cada sentença lida expressava (i) evocação de pressuposto positivo (opção A); (ii) evocação de pressuposto negativo (opção B); ou (iii) indefinição (opção C: impossível afirmar A ou B). O teste foi montado no software OpenSesame (versão 3.2.3b1) e os participantes foram expostos a sentenças com e sem a CCB, que ficavam disponíveis na tela por 4800ms. Utilizamos o delineamento experimental em quadrado latino para dividir os estímulos críticos em dois scripts (A e B), a fim de impedir a repetição de material lexical entre as duas condições experimentais. Assim, cada sujeito foi exposto a dezesseis estímulos distratores e a oito estímulos críticos: quatro da condição com a CCB e quatro da condição sem a CCB. Os estímulos críticos sem a presença da CCB foram incluídos no experimento como forma de controlar se a tendência de respostas que revelavam evocação de pressuposto negativo era, de fato, motivada pela presença da CCB na sentença. Desse modo, a nossa variável dependente era a quantidade de respostas dadas pelos participantes (A, B ou C) aos estímulos pertencentes à condição de contraexpectativa, ao passo que a variável independente era a presença ou a ausência da CCB nas sentenças expostas aos sujeitos. Para a análise estatística dos dados obtidos, utilizamos o Chi-Square Calculator para realizar um teste qui-quadrado de homogeneidade. Os resultados mostraram diferença significativa nas respostas dadas entre as duas condições (p < 0.00001), o que, em termos de realidade psicológica, proporciona evidências em favor da hipótese de que a CCB atua, de fato, como um disparador de pressuposição negativa.
5Dez 2020 17:00 UTC
5Dez 2020 14:00 Horário Local *

O gerenciamento do discurso outro como estratégia argumentativa no Twitter

Carlos Eduardo Pinheiro (UFC - Brasil)

Co-autoria: Mônica Magalhães Cavalcante (UFC - Brasil)

A Linguística Textual assume que as palavras são sempre e inevitavelmente as palavras dos outros. Por isso, o presente estudo objetiva analisar como o gerenciamento das vozes exteriores pode ser utilizado como estratégia argumentativa em textos do Twitter.
A Linguística Textual tem assumido o pressuposto teórico de que a alteridade e a argumentação são condições constitutivas dos textos e dos discursos. Nesse sentido, este trabalho objetiva investigar como o gerenciamento das vozes exteriores que atravessam textos publicados no Twitter constituem estratégias argumentativas. Para tanto, convocamos a reflexão de Authier-Revuz (2020) sobre a Representação do Discurso Outro (RDO), conceito formulado para atualizar a noção tradicional de “Discurso Reportado”. A RDO é um desenvolvimento recente da Teoria das Heterogeneidades Enunciativas, formulada pela autora na década de 1980. Nessa teoria, Authier-Revuz (1982) articula os fundamentos da psicanálise freudo-lacaniana e do dialogismo bakhtiniano para estruturar uma teoria da enunciação que classifica e analisa formas linguísticas que revelam a presença de vozes exteriores nos discursos. A autora justifica a convocação dessas duas abordagens não linguísticas argumentando que ambas destituem o sujeito do domínio do seu dizer, pois, enquanto o dialogismo situa o sujeito em uma relação fronteiriça com o exterior, dispondo-o sempre em uma relação constitutiva com o outro, a psicanálise assume a descentração do sujeito e sua clivagem ao inconsciente, colocando-o como efeito de linguagem. Assumimos que as escolhas linguísticas que o sujeito realiza na tentativa ilusória de ter domínio de seu dizer podem ser analisadas como estratégias, pois inscrevem a sua subjetividade e os seus modos de negociar linguisticamente com a alteridade. Se olhadas de modo puramente descritivo, as formas de RDO não interessariam a uma análise discursivo-textual, mas, se colocadas a serviço dos interesses da Linguística Textual, em interface com a Teoria da Argumentação nos Discursos, de Amossy (2018), essas formas do heterogêneo se tornam marcas textuais que assinalam modos de administrar as vozes na enunciação na construção argumentativa dos textos. Nosso interesse em analisar essas marcas em textos publicados no Twitter justifica-se pelas particularidades tecnológicas, linguísticas e interacionais que essa mídia digital disponibiliza para a construção dos sentidos dos textos que nela circulam. Por isso, defendemos uma articulação teórica necessária aos estudos dos textos que se originam e que circulam na internet, a saber, a Análise do Discurso Digital, de Paveau (2017). Os resultados mostraram que o gerenciamento textual das vozes exteriores pode desempenhar diversas estratégias argumentativas, como o apelo às emoções do auditório, a desqualificação do outro e a convocação do argumento de autoridade. Além disso, verificou-se a necessidade de considerar o uso de recursos tecnolinguageiros, como as hashtags e retweets, como modos de representar o discurso outro no Twitter.
5Dez 2020 17:15 UTC
5Dez 2020 14:15 Horário Local *

Estratégia de aprendizagem: -en modificador de SN

Adriana Tenuta de Azevedo (UFMG - Brasil)

Co-autoria: Priscilla Tulipa Costa (UFMG - Brasil), Stefânia Aparecida de Lima Silva (UFMG - Brasil)

Estudo quantitativo da escrita de aprendizes brasileiros de inglês que comparou ocorrências de -en em posições pré e pós núcleo do SN, revelando maior número de pós-modificadores, o que pode significar estratégia de aprendizagem ligada à similaridade das gramáticas de L1 e L2.
Com este estudo, foi realizada uma investigação da produção escrita de aprendizes brasileiros de inglês como L2. Enfocou-se a estrutura do SN, mais especificamente, a pré e a pós modificação do núcleo através da forma nominal do verbo -en, ou seja, o particípio passado. Foram registradas as ocorrências desse elemento gramatical no corpus de aprendizes CorIsf, Corpus do Inglês Sem Fronteiras, dos pontos de vista quantitativo e comparativo entre as ocorrências de -en nas posições pré e pós núcleo do SN. A pesquisa foi apoiada em metodologia de corpus (BIBER, 2009;
GRANGER, 1997). Na comparação da arquitetura linguística de L1 e de L2 dos aprendizes,
encontram-se semelhanças e diferenças relativamente ao SN e ao uso do particípio passado integrando esse sintagma. -en ocorre como pré e como pós modificador na língua inglesa (língua alvo do aprendiz), em estruturas oracionais ou como itens lexicais (RUDDLESTON; PULLUM, 2005; DOWNING; LOCKE, 2006; DOWNING, 2015). Na língua portuguesa, a ocorrência de -do/da é identificada, de forma geral, apenas na posição pós núcleo, tanto como oração quanto como item lexical (CEGALLA, 2008; CUNHA; CINTRA, 2017). Trabalhou-se na perspectiva de que a similaridade das gramáticas da línguas com respeito ao uso do particípio passado na posição pós núcleo resultaria em uma tendência de o aprendiz utilizar o modificador nessa posição com mais frequência do que na posição anterior ao núcleo. A análise quantitativa das ocorrências desses elementos na produção escrita do aprendiz confirmou essa superioridade numérica significativa dos pós-modificadores -en comparativamente aos pré-modificadores. A interpretação dada para a situação que se apresentou foi a de que estaria ocorrendo uma transferência (GASS; SELINKER, 1983) de L1 na produção de L2. Essa seria uma estratégia de aprendizagem, como proposto por Corder (1992), que pode ser compreendida a partir da existência de uma familiaridade com um traço sintático, a partir da língua materna, o que levaria o aprendiz a confiar mais na efetividade desse uso linguístico. Tal confiança não ocorreria para com -en na posição anterior ao núcleo do SN, exatamente por não haver familiaridade com -do/da nessa posição em L1. Estudos como este, que se baseiam em frequências de ocorrência, são importantes para se identificarem padrões gramaticais mais aproximados ou mais distantes,
especialmente quando é feita a comparação de dados de corpus de aprendizes e de corpus
de falantes nativos.
5Dez 2020 17:30 UTC
5Dez 2020 14:30 Horário Local *

Incentivo à leitura 1000 livros antes da Ed. Inf.

Pesquisa sobre ações de incentivo à leitura na infância realizada na Urbana Free Library (Illinois/USA). Investigamos o programa 1000 livros antes Educação Infantil, com pressupostos da neurociência como a capacidade que o cérebro humano tem de se desenvolver até os 3 anos.
Apresentamos parte da pesquisa sobre ações de incentivo à leitura na infância em espaços escolares e não escolares em diversos países (apoio CAPES- 2016 e CNPq – 2018). Questionamos: Quais ações de incentivo à leitura, voltadas para crianças, são promovidas pela biblioteca municipal Urbana Free Library (Illinois/USA)? Os dados foram produzidos em 2016, por meio de observações, registro em fotografia e filmagens e materiais escritos como folders informativos, cartazes e folhetos.
No calendário disponibilizado mensalmente pela biblioteca, identificamos 125 tipos de atividades previstas para 2016. As atividades mais recorrentes são direcionadas para crianças de 0 a 5 anos de idade, sendo organizadas com horários e dias diferentes para as seguintes faixas etárias: de 0 a 2 anos; de 2 a 4 anos e de 3 a 5 anos, buscando adequar o que é de interesse para cada público. Dentre os diferentes eventos desenvolvidos na biblioteca, destacamos o denominado “1000 livros antes Educação Infantil”. Trata-se de um programa vinculado a uma fundação sem fins lucrativos denominada The 1000 Books Foundation, que é mantida por meio de contribuições privadas de caridade.
É um programa de indução da leitura na infância e tem por objetivo que as crianças leiam livros antes de completar os 5 anos. Como justificativa, utilizam pressupostos que se vinculam a neurociência, tais como: a capacidade que o cérebro humano tem de se desenvolver até os 3 anos; o cérebro de uma criança cria até dois milhões de novas conexões a cada segundo; a capacidade de aprender habilidades linguísticas é maior antes dos seis anos; as mais importantes chances de sucesso escolar estão sendo realizadas em casa durante a primeira infância. Informações como essas são divulgadas no site da biblioteca, da fundação e também por meio de cartazes e folhetos distribuídos na biblioteca para que os familiares e cuidadores se convençam da importância de aderir a esse programa.
As crianças que participam, recebem fichas com 100 desenhos para pintar conforme cada livro lido. A cada ficha que a criança completa, ganha um certificado de que conseguiu cumprir a meta, entregue em uma solenidade e registrada por meio de fotografia que é publicada no site da biblioteca.
A justificativa da necessidade de ler na infância visa um impacto positivo nos familiares, afinal: quem não investiria em uma ação que traz benefícios para as crianças? Contudo, a estratégia de cooptação, baseia-se em uma perspectiva meritocrática, ou seja, as metas são estabelecidas e a cada etapa vencida o sujeito é recompensado pelo mérito de ter conseguido.
Dito isso, cabe as seguintes indagações: o fato de tornar a leitura uma obrigação não estaria indo de encontro com o propósito de fruição, de autonomia do leitor? Quais os efeitos de uma lógica meritocrática para a leitura? Que modelo de sociedade está sendo instituído e esperado? Qual as implicações para o letramento ideológico ou autônomo das crianças?
5Dez 2020 17:45 UTC
5Dez 2020 14:45 Horário Local *

Translanguaging lens in deaf education

Aryane Santos Nogueira (UNICAMP - Brasil)

Language practices identified in a written language course to deaf students through a translingual descriptive lens highlights aspects about deafs’ communicative practices that can be invisibilized or neglected, while may have an important role in language learning process.
This presentation is intended to make some considerations about language teaching for deaf students highlighting the implications of communicative practices observed in a bilingual course to teach written Portuguese for young deaf. For this purpose, I assume a translingual and transmodal perspective as a descriptive lens to look at the language practices and forms of engagement the deaf students were actually using in this course. Translanguaging as theoretical concept is gaining attention in sociolinguistics and applied linguistics studies in order to identify, describe and analyze language practices in diverse educational and social contexts. By conducting a qualitative and interpretative research using ethnographic methods, which consisted in participant observation of the Portuguese classes, videos recordings, taking field notes and collecting the students’ writing and video productions, I could generate a set of registers that enabled to identify the languages and modalities the deaf students were deploying during their communicative practices, such as sign language, spoken language, mouthing, written language, body language, gestures, gaze, pointing and referencing the surrounding environment (materials, images, technologies), ensembled in the deaf students’ semiotic repertoires while they were engaging with tasks assigned to them in class, and also to describe the interactions between both linguistics and semiotics resources. The analysis of these language teaching situations, showed the deaf students involved in translingual and transmodal language practices during the classes even though they were in a safe space for their sign language, i.e. the sign language was being considered and used by all the participants involved (teaching staff and students) as a legitim language of instruction, interaction and communication. In that sense, the deaf students’ semiotic repertoires involved not only the sign language and the written language, but also a wide range of other semiotic and linguistic resources, assembled in different ways depending on the affordances of the space, actions, objectives and subjects of communication and individuals involved. Such communicative practices enabled the deaf students to engage in productive ways in the process of learning the written language while promoting metalinguistics and metapragmatics insights instead of a work with compartmentalized languages. It has also provided an extended language education by developing students’ awareness about their language use as socially, linguistically and culturally plural and diverse. By bringing attention to the results of this research I do not have the intention to prescribe a translingual pedagogy but highlight the complexities involved in the deaf students’ language practices that can be sometimes invisibilized or even neglected, while may have an important role in their language learning process.
Programa