5dez 2021
00:00 UTC
#linguistweets
#abralin

A reelaboração de gêneros em tweets didáticos

De acordo com o teórico da linguagem Mikhail Bakhtin (2011), cada campo da atividade humana elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, os quais são nomeados como gêneros do discurso. Para Bakhtin (2011), conforme os campos da atividade humana se desenvolvem, os gêneros passam por modificações. Assim, gêneros primários — cotidianos e espontâneos — são reelaborados por gêneros secundários — mais complexos, que surgem a partir de determinadas demandas sociais. Pesquisas mais recentes, como a de Costa (2010), propõem que o fenômeno de reelaboração de gêneros é responsável pelas transformações pelas quais um gênero (primário ou secundário) passa, o que pode ocasionar o surgimento de um novo gênero — reelaboração criadora — ou a modificação de um gênero já existente — reelaboração inovadora externa (incorporação de características de outros gêneros em um gênero já existente) ou interna (adequação do gênero a novas exigências comunicativas) — dentro
de um contínuo entre estandardização e emergência. Neste trabalho, considera-se que gêneros secundários também são reelaborados por outros gêneros secundários, o que ocorre, por exemplo, nos chamados gêneros emergentes, que, segundo Marcuschi (2010), surgem no contexto das novas tecnologias, em especial, a internet. Dentre esses
gêneros, ressalta-se o tweet, texto de até 280 caracteres publicado no Twitter. Com base nos pilares propostos por Bakhtin (2011) para caracterizar um gênero — forma de composição, estilo e tema —, o tweet é considerado, nesta pesquisa, como um gênero do discurso, que apresenta particularidades em sua estrutura — marcada, principalmente, pelo limite de 280 caracteres —, estilo e tema — os quais variam, a depender do perfil do usuário, conforme apontam Barth e Freitas (2015). Fundamentado nessas considerações, o presente trabalho tem como objetivo identificar características de gêneros discursivos que são reelaborados na construção de tweets com propósito didático. Para isso, observamos quatro tweets que apresentam conteúdos programáticos das áreas de Ciências Humanas, Matemática, Linguagens e Ciências da Natureza. A análise dos dados mostrou que há uma grande variação de gêneros sendo reelaborados dentro dos tweets, tais como questão de vestibular, anúncio, post do Instagram, problema matemático, resumo, mapa mental, macete, entre outros. A variedade de gêneros reelaborados no Twitter demonstra postura ativa dos sujeitos de linguagem natransformação dos gêneros. Ressalta-se, ainda, que grande parte dessas reelaborações é potencializada pelos recursos multissemióticos oferecidos pelo Twitter, dentre os quais se destacam enquete, imagem, link, hashtag e retweet comentado.