5dez 2021
00:00 UTC
#linguistweets
#abralin

Entre tempo e modo: escolhas motivadas em uma narrativa escolar

Este artigo pretende apresentar uma pesquisa sobre as escolhas dêiticas modais e temporais em textos produzidos por alunos do quarto ano da escolaridade básica numa prova de avaliação de Língua Portuguesa, de âmbito nacional, no ano de 2008, em Portugal. Todos os textos foram obtidos a partir de provas classificadas com nota máxima. Os textos foram produzidos em resposta a uma tarefa escrita subordinada ao título “Se eu fosse um … por um dia”, que orientou os alunos para a produção de narrativas hipotéticas. Na literatura especializada sobre o desenvolvimento linguístico de crianças e adolescentes em idade escolar, as construções linguísticas que realizam a referência hipotética são descritas como indicadores de um estádio de maturidade da escrita normalmente atingido nos últimos anos de escolaridade. Adota-se para o estudo o quadro teórico da linguística sistémico-funcional, que entende a língua como um sistema sociossemiótico para a realização do sistema sociossemiótico da cultura. As gramáticas descritivas do português são utilizadas para a descrição do sistema verbal. O corpus é constituído por cinquenta textos, anotados com informação de morfologia verbal e de escolhas dêiticas. Os resultados atestam diferentes padrões de escolhas dêiticas nos textos dos alunos, variando entre textos inteiramente construídos no eixo da temporalidade; textos inteiramente construídos no eixo da modalidade hipotética; e textos que apresentam padrões mistos no que concerne a estas escolhas. Já que os alunos evidenciam ser capazes de utilizar com correção os recursos lexicogramaticais adequados à construção da modalidade hipotética, os resultados sugerem que a dificuldade encontrada por esses alunos no desenvolvimento coerente dos textos pode dever-se não tanto à indisponibilidade de recursos linguísticos, mas à falta de exposição das crianças a esse tipo de atividade sociossemiótica, razão por que não se encontra disponível no potencial de significação desenvolvido pelas crianças do quarto ano.